BLOG

Aquaman e o Uncanny Valley

Eu não consigo nem imaginar o TRABALHO que dá fazer um bom CGI de água, criaturas marinhas e o próprio fundo do mar. Mas eu também não esperava ver duas horas e 23 minutos de algo tão esquisito

Existe uma hipótese chamada de Uncanny Valley, que resumidamente é uma estranheza que sentimos quando réplicas humanas (robôs ou, no caso do filme, atores em CGI) se comportam de maneira não idêntica a nós, humanos. 

E é normal que filmes de ficção científica e do gênero específico de super heróis utilizem muito a técnica do CGI, mas há um limite. O movimento dos seres humanos (considerando que os Atlantianos se parecem fisicamente conosco) causa uma estranheza que incomoda durante o filme todo.

Entenda: é normal que seres irreais e fictícios tenham movimentos menos conexos com os nossos, e nesse caso conseguimos levar numa boa. Pense em Senhor dos Anéis, por exemplo e todos os Orcs, que em nada se parecem com a gente, e mesmo assim não nos causam essa sensação esquisita.

Agora, tente imaginar um ser humano com movimentos tão robóticos e computadorizados a ponto de causar esse incômodo.  Chega a ser desesperador. 

Em momentos que apenas o cenário está “em ação” as coisas ficam mais bonitas. É um filme muito colorido, com muita ação e explosões. Até demais, inclusive. 


Existe uma gag no filme: por cinco vezes é utilizado o mesmo recurso de roteiro, onde uma explosão interrompe o diálogo entre os atores. As cenas são praticamente idênticas: personagens de lado conversando e no exato momento que algo importante vai acontecer ou ser falado BOOM uma parede ao lado deles explode, jogando todos pra longe e a briga começa. 

Quanto ao roteiro, realmente não há o que comentar. É um filme de origem de super herói. Tem drama, riso, decadência, romance e no final a tão sonhada superação

Quanto às atuações, mordi minha língua ao dizer que Jason Momoa seria um péssimo Aquaman. O papel é ser um brucutu do mar meio bronco e um tanto chucro: ele é ótimo! Já não posso dizer o mesmo de Amber Heard, que infelizmente para o lado feminista da coisa, só está lá pra ser bonita e vestir uma roupa colada e decotada. 


A trilha sonora não anima em ponto algum. Logo no começo do filme inseriram algumas cenas que só podem ter saído de um comercial de perfume com o Momoa. Visualize na sua cabeça: fumaça, mistério … tcharãn Jason Momoa molhado sem camisa aparece em slow motion e sobe uma música bem “machona”. 

O problema é que essa cena tem cerca de quatro segundos e está inserida num momento totalmente aleatório no meio de uma porradaria. E pior: ela se repete em menos de dois minutos.


E já que estou dando minha opinião sincera acho que não posso deixar de fora o detalhe mais importante, ao meu ver. 

A crítica e parte do público que já assistiu ao filme parece estar gostando bastante do filme. E eu entendo o motivo: Aquaman é o filme mais “Marvel” da DC nos últimos anos. 

A fórmula cores + piadas + ação funciona há dez anos, com 20 filmes lançados. Já o tom escuro + dramático + sério dos últimos títulos da DC não agradaram muita gente. 

É mais que compreensível que a DC esteja tentando ir para o lado oposto com seus filmes e acredito que irão consolidar a estratégia com Shazam, com lançamento previsto para abril de 2019.